A indústria e a água de reuso

shutterstock_552055931004141397148653

A indústria e a água de reuso.

Fonte: Diário do Grande ABC
Data: 10 de Abril de 2014.

Em março comemora-se o Dia Mundial da Água, celebração instituída pela ONU (Organização das Nações Unidas), no ano de 1992. A data foi criada com o intuito de promover momento de reflexão, conscientização e elaboração de medidas práticas que busquem resolver os problemas hídricos do planeta. Em 2014, mais de duas décadas depois, muitas dificuldades de acesso e tratamento da água continuam a existir, principalmente em países em desenvolvimento, como o Brasil.

Para se ter ideia do panorama brasileiro atual, estudo da FGV (Fundação Getúlio Vargas) apresentado em fevereiro demonstra que quase 10 milhões de litros de esgoto industrial são despejados a cada hora, irregularmente, nos rios e córregos da RMSP (Região Metropolitana de São Paulo). O volume, de acordo com o levantamento, é equivalente a 28% do total de efluentes produzidos pelas 58.373 indústrias espalhadas em 39 municípios da RMSP.

A solução para preservar estas áreas, portanto, é impedir que a água de efluentes atinja rios e córregos antes de estar apta ao reúso. O mundo corporativo já conta com iniciativas bem estruturadas, que além de utilizar de forma consciente os recursos naturais também agregam responsabilidade socioambiental ao desenvolvimento econômico. A Braskem, por exemplo, alcançou economia de 6,5 bilhões de litros de água potável através dos dois maiores projetos de reúso de água da América Latina: o Aquapolo, projeto feito pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), em parceria com Odebrecht Ambiental, que equipa o Polo Petroquímico no Grande ABC, em São Paulo, e o Água Viva, programa desenvolvido em parceria com a Cetrel, que abastece o Polo de Camaçari, na Bahia.

Vale lembrar que estamos falando de recurso vital, e que os benefícios de iniciativas como estas vão muito além da economia de água potável; implicam também na redução do uso de produtos químicos no tratamento de água e, ainda, em menor impacto nos recursos hídricos da região onde os projetos estão alocados.

As soluções para os problemas ambientais e sociais continuarão sendo discutidas pelos governos do mundo todo. No entanto, não há dúvidas de que as indústrias têm papel de destaque no crescimento socioeconômico sustentável. Por isso, as empresas precisam optar cada vez mais por iniciativas que beneficiam comunidades, fornecedores e clientes, e diminuam a dificuldade de acesso e tratamento da água.

Whatsapp
Google+
Pinterest